BIO Curiosidades

Curiosidades sobre as aves

Lista do conteúdo

Curiosidades sobre as aves

Aves  são animais  que tem o corpo coberto de penas – é a primeira coisa que a gente aprende sobre as aves – e são mesmo.

 

Mas não é só isso, existem muitos tipos de aves, aves de diferentes ordens, de diferentes cantos, diferentes plumagens, tamanhos e comportamentos.

São principalmente os detalhes que fazem as aves tão diferentes entre si, que são mais curiosos e interessantes.

Muitos animais tem sentidos que nós nem conhecemos direito (como o tubarão que sente o eletromagnetismo), outros tem os sentidos que nós temos mas muito mais apurados (como o cão que ouve sons que não ouvimos), outros ainda têm os mesmos sentidos com funções adicionais ou diferentes das nossas (como a visão de calor das cobras, e a visão de UVA e UVB de algumas aves e insetos).

 andorinha

Teste de aptidão

O comprimento e a simetria da cauda de uma andorinha macho indicam o quanto saudável ela é.

Os machos de caudas longas tem mais chances de sobreviver aos longos voos, no inverno.

ensinando canto

Aulas de canto

Os passarinhos canoros tem um repertório de até 7 músicas.

Aves da mesma área cantam músicas semelhantes, aprendendo com os vizinhos e com os pais.

Urca

Cruzando os céus

Cegonhas

Levantando voo nas correntes ascendentes de ar quente, as cegonhas ganham altura antes de partirem na sua longa jornada em direção ao sul, para os locais tropicais onde passam o inverno.

 

Veja mais sobre cegonhas

Gaios do cerrado

Toda a família alimenta os filhotes

Os gaios do cerrado tem famílias numerosas, e os filhotes não vão embora – ficam e ajudam a criar e alimentar a nova ninhada.

Codorna

Carregando água nas penas

O galo silvestre de areia, encharcando as penas, carrega a água necessária para refrescar seus filhotes.

cemiterio-de-passarinhos

Cemitério de passarinhos

Em Paquetá – RJ, encontramos essa preciosidade – um cemitério de passarinhos, muito bem cuidado, com estátuas de pássaros….um gracinha.

Passaro com vevneno de sapo

Pássaro com veneno de sapo

O pitohui (ao lado), um pássaro da Nova Guiné , é um dos pucos pássaros que possui defesa química.

Sua pele, penas e músculos contém um veneno chamado homobatraquiotoxina, também encontrado em sapos da América do Sul (só que em maior quantidade).

Não se sabeao certo como esses pássaros e sapos produzem a mesma toxina, mas provavelmente a resposta esteja na sua alimentação.

Os habitantes da Nova Guiné não comem o pitohui por causa do seu gosto e cheiro repulsivo e porque sua carne anestesia a boca.

Segurança em bandos

Segurança em bandos

Quanto mais olhos existem para vigiar os predadores, mais chances de sobreviver tem os indivíduos.

Por isso os animais de diversas espécies, como os flamingos ao lado, procuram segurança na multidão.

Veja mais sobre os flamingos

passaro-catinguento

Odor repulsivo

Como técnica de defesa algumas aves do Ártico (esta do lado é da ilhas Shetland) cospem e deixam um odor repulsivo.

Se chegar perto de um ninho dessas aves pode levar uma boa cuspida e ficar catingando por semanas.

Garça 

A garça ao lado “mora” no parque Guinle, próximo à residência oficial do governador do Rio de Janeiro.

Garça

Quando as crianças ou pequenos animais que visitam o parque a incomodam, ela se esconde entre as folhagens.

 

Garça

Veja também:

 

mergulhao

Driblando a natureza

Um corvo marinho de crista dupla (na foto ao lado) usa pedras pra conseguir driblar sua flutuabilidade natural, afundar e ir atrás do seu almoço (peixe).

O problema depois é a decolagem.

revoada-de-passaros 

Anunciando a primavera

No final do inverno os tordos americanos migram em grandes bandos para o note.

Andorinhas Na cerca 

Andorinhas – Alimentação durante o voo

Com apenas 3 semanas de vida as andorinhas estão prontas pra voar e deste momento em diante raramente voltam a tocar o solo.

Elas bebem durante o voo, ao deslizarem sobre as superfícies dos lagos.

Na estação de procriação, os pais alimentam os filhos com insetos apanhados no ar (foto ao lado).

Tordos se preparando para voltar para o norte, no fim do inverno.

  Estorninhos

Estorninhos – Formigamento

Estorninhos europeus, ocasionalmente pegam formigas com o bico e as esfregam nas penas. Estas liberam ácido fórmico em defesa e supõe-se que o ácido age como inseticida, livrando o pássaro de parasitas tais como o piolho. Alguns pássaros até sentam no alto de um Formigueiro adequado com as asas esticadas enquanto as formigas perturbadas liberam ácido sob eles.

Acredita-se que por volta de 200 espécies de pássaros usam formigas desta forma.

Veja mais sobre os estorninhos

maçaricões Australianos

maçaricões Australianos – Ciganos voadores

Estes maçaricões listados australianos (ao lado) tem vida nômade.

Aparecem aos milhares para se alimentar e procriar em lagos temporários, que surgem após chuvas forte, em áreas desérticas.

macaricos-e-filhotes

Família unida

Os maçaricos saem do ninho com os filhotes poucas horas depois deles nascerem.

É importante que os ovos nasçam na mesma hora, apesar de serem postos em dias diferentes. Por isso a fêmea só começa a chocá-los após por o último ovo.

simbiose

Colaboração entre espécies

Os Buphagus Africanus (ao lado) oferecem aos grandes ruminantes das planícies da Africa, um valioso serviço de limpeza. Retiram carrapatos e moscas do seu couro.

Eles comem, descansam e até namoram em cima dos ruminantes. É quase como uma casa ambulante.

Mas na hora de fazer ninhos, procuram o oco das árvores. Constroem o ninho usando pelos dos animais em que moram.

4 ou 5 pássaros podem ajudar a alimentar os filhotes de um mesmo casal.

simbiose

Uma vaca tem os carrapatos tirados por uma garça.

Limpeza para uma, alimento para outra.

Búcero

Búcero – A ligação pelo som

Fêmea do búcero terrestre oferecendo um inseto a um dos machos do grupo. Esses pássaros vivem cooperativamente em grupos de 8, e comunicam-se entre si através de pios e de uma grande variedade de gestos.

Albatroz

Albatroz – De carona no vento

A constituição dos albatrozes é mais adequada para planar do que para bater asas, e eles voam longas distâncias pelos oceanos do sul quase sem bater suas longas asas.

Alca

Alca – Primeiro voo

Os filhotes da pequena Alca lançam-se dos penhascos atendendo ao chamados dos pais.

Mas os pais colocam-se entre eles e a beira do penhasco se acharem que eles não estão prontos para voar.

Carucacas

Carucacas

Ave comum no sul do Brasil.

Carucacas

Cacatua  

Cacatua de Crista Amarela

A Cacatua de Crista Amarela é uma outra ave doméstica popular.

Os filhotes criados desde pequenos pelo homem tornam-se companheiros muito carinhosos, embora raramente aprendam a falar mais do que algumas palavras.

Em estado selvagem, os gritos estridentes desta cacatua constituem-se em som familiar do sertão australiano, onde é muito comum.

papagaio

Amazona de Fonte Amarela

perdendo apenas para o papagaio Cinza na qualidade de falador, o Amazona de Fronte Amarela é considerado o mais inteligente e talentoso dos Amazonas.

É comum numa grande área da América do Sul. Da mesma forma que o Cinza, vive em bandos e tem o voo barulhento, embora os bandos sejam muito silenciosos quando estão se alimentando, o que dificulta sua localização entre a folhagem verde.

Seus chamados naturais são guinchos estrindentes, mas felizmente, quando falam, suas vozes são mais agradáveis.

Os machos de todas as espécies são naturalmente mais barulhentos do que as fêmeas, sendo desta forma os melhores faladores.

papagaio Cinza

Papagaio Cinza

O Papagaio Cinza Africano é, geralmente considerado o melhor falador de todos.

Vive nas florestas altas das regiões oeste e centro da África, onde se congrega em bandos grandes e barulhentos, alimentando-se de frutas e sementes.

Para se obter aves domésticas, os filhotes são retirados do ninho e criados desde pequenos pelo homem.

Por serem criaturas sociais, os papagaios apreciam companhia, tornando-se mascotes excepcionais.

Estando entre as aves mais inteligentes, são divertidos, acrobatas e, acima de tudo, falantes.

Acridotero da Montanha

Acridotero da Montanha

O Acridotero da Montanha possui grande habilidade mímica.

Diversas sub-espécies são encontradas nas selvas e florestas de montanhas por todo o sudeste da Ásia e da índia.

É uma ave falante, como o papagaio.

Passaro amarelado

lagopode

Os lagópodes mudam de plumagem conforme a estação

A fêmea do lagópode de cauda branca, com penas malhadas de preto, branco, amarelo e marrom acinzentado, agacha-se em meio à vegetação rasteira das regiões frias das montanhas Rochosas da América do Norte.

O verão está começando e ela está chocando nove ovos postos em uma fenda no solo, quase invisível em meio às pedras cobertas de musgo.

Os filhotes nascem cerca de três semanas depois e em pouco tempo conseguem sustentar-se sozinhos, embora continuem bem próximos à mãe.

No outono, os pássaros fartam-se de mirtilos vermelhos e outras frutas, mas, quando a estação vai chegando ao fim e os dias vão encurtando, a neve começa a cair.

lagópodes

Para permanecerem escondidos dos arminhos e águias, os lagópodes precisam mudar de penas novamente.

Gradualmente, vão substituindo as penas coloridas por brancas.No início de outubro, a cobertura de neve já está mais ou menos estabilizada, e os lagópodes descem a montanha para as encostas mais baixas.

Agora eles têm uma grossa camada de penas brancas, que servem de camuflagem e proteção contra o rigoroso frio do inverno. Os lagópodes entocam-se na neve, não apenas para se esconder mas também se manterem aquecidos.